quarta-feira, novembro 15, 2006

AS MUSAS DO BROCK

Nos anos 80, o Brock não tinha muitas musas.
Paula Toller poderia encabeçar a lista – embora seja visível que ela, aos quarenta e poucos, esteja bem melhor hoje (Sabe quem melhorou muito com o tempo? A Nena de 99 Luftballons. Há dois anos, estive na Alemanha e vi um vídeo com ela cantando um reggae. Está batendo um bolão!!).

As mocinhas do Sempre Livre eram meio esquisitas. Tinha a Dulce Quental – voz bonita, afinada. A guitarrista era bonitinha tbem. Lembro de um show delas no Rádio Clube. Entre uma música e outra, um gaiato gritou, na platéia:

- Diretas...

Bem, era a campanha pelas eleições diretas. O grito pegou de suspresa as meninas, que estavam meio afinando os instrumentos. Uma delas conseguiu gritar antes das outras:

- Já!!!

A Dulce, mais tarde, gravaria uma versão fabulosa de Caleidoscópio, do Herbert Vianna. Guardo o vinil até hoje. Arranjo primoroso, voz incrível.

Voltando às meninas do Brock...

As duas da Blitz! Fernandinha Abreu e... como é mesmo o nome da maluquete com uma franjinha estranha? Marcinha Bulcão? Acho que é isso.

O Lobão até colocou sua namorada – Alice Pink Punk –, uma holandesa bem apanhada, entre os Ronaldos (Me Chama foi escrita para ela). Ela cantava uma canção no primeiro disco deles (Bambina). Aí, o namoro dançou – e ela também, da banda. Dizem que a Alice voltou para a Holanda. Não sei. Nunca mais vi.

Ah, tinha aquela bonitinha, irmã da repórter da Globo em Nova York – Mae Pinheiro! Ou melhor, Mãe East. Essa aí gravou um disco horroroso, que falava de gnomos e era pretensamente new wave. Minha irmã adorava essa porcaria.

Nenhuma delas, porém, era mais bacana que a Virginie. Aquela ruivinha de cabelo encaracolado do Metrô! É, essa mesmo.

Conheci a Virginie alguns anos antes de ela virar cantora. Ela havia estudado com a Leda, minha colega da faculdade, e nos cruzamos em algumas festas. Uma noite, lá no Rádio Clube, ela e a banda foram tocar. O nome ainda não era Metrô – era “A Gota Suspensa”. Mas ali nos bastidores eles contaram que tinham gravado um compacto com o novo nome e que iria estourar.

Estourou mesmo. A música era ‘Beat Acelerado’, originalmente composta para ser uma bossa-nova. O compositor, Vicente França, um sujeito magrinho, cabelo encaracolado – daqueles que fala baixo e tem uma placa “eu sou tímido” pregada na testa – e boa gente, ia muito ao Rádio Clube.

A Virginie tinha afinação, de um lado, e pouca potência vocal, de outro. Resultado: os meninos da banda colocavam um pedal no microfone para reforçar a voz dela. O resultado era legal.

Me disseram que ela casou com um diplomata e hoje mora na Nova Zelândia. Será que ela fica lembrando da época em que era estrela do rock?

PS: o pessoal do Metrô fazia muito comercial de TV. O Dany era o Fernandinho da camisa US Top. E a Ginie fez um comercial para uma maionese (Gourmet, eu acho). Era bobinho: ela começava a falar francês quando comia (!!!!!) uma colher de maiô! Podreira total...

2 Comments:

Anonymous Eduardo Haak said...

Cara, muito legais suas memórias dos nos 80. O Rádio Clube era na Pedroso de Morais, hum?
Abraço!

10:25 PM  
Blogger Aluizio Falcão Filho said...

Rapaz, era sim -- pertinho da Fnac, onde hoje é o Avenida Club.

9:43 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home